quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Entrevista com a Missionária Rose Ovídio

Final do culto de domingo à noite, e fácil-fácil veremos a Missionária Rosemeire Ovídio dos Santos (Rose para os íntimos) sempre alegre com seu sorriso contagiante, conversando e beijando todos os irmãos, sempre com muito carinho e atenção para atender a todos que a abordam.
Como não sou bobo nem nada, solicitei logo uma entrevista para nos contar suas experiências de campo. Dentre outras perguntas, falamos sobre sua conversão; sua atuação no campo missionário; a situação da igreja moderna, entre outras.
Rosemeire Ovidio dos Santos é Missionária, Ministra de música, Conselheira para dependentes químicos, Ministra da Palavra de Deus, intercessora, professora e escritora.

Confira agora mesmo esta edificante entrevista.


Reflexões do Reino: Como foi sua conversão e seu chamado para a obra de Deus?

Rose: Minha vida em tudo não é por vias normais, afinal, sou serva do Deus que com apenas uma palavra disse haja, e tudo passou a existir! Ele é Deus criativo, para que seu poder seja manifestado de forma a não deixar dúvidas aos homens que foi Ele que agiu.
Minha conversão foi de forma "louca", mas extraordinária a forma como Deus me resgatou do mundo dos mortos.
Aos meus 13 anos, me envolvi com álcool, e com isso minha vida de adolescente foi um caos. Aos 15 anos conheci um homem que me apaixonei perdidamente, achei que tudo mudaria, pois a recíproca era verdadeira, mas aos 17 anos ele morreu e então me afundei no álcool; não tinha aprendido a lidar com perdas, não tinha mais noção do certo e do errado; foram cinco anos de tortura na mente e no corpo. Fiz tantas loucuras que nem valem a pena contar.
Aos 22 anos foi a derradeira, quando tentei suicídio. A coisa era tão assustadora, que maquinei algo terrível contra minha própria vida. Queria agredir a todos da minha família, pois não existia um culpado pelas perdas que tive, mas o inimigo se incumbiu de soprar em meus ouvidos para me vingar da minha família me fazendo acreditar que eles eram os culpados. Assim, coloquei em prática um plano diabólico, que por motivos fortes, não contarei os detalhes. Mas uma coisa era certa, o inimigo não estava brincando, ele queria tirar a minha vida de qualquer jeito.
E foi então, que fiz uma mistura de drogas, um coquetel de remédios, maconha, cocaína, bebidas destiladas, engoli tudo misturado e entrei em coma.
Mas ali, o plano perpétuo do Senhor já estava em ação.
Minha irmã e meu cunhado estavam na igreja, pois era um domingo de manhã. Minha irmã começou a ficar incomodada na igreja, sentindo que estava acontecendo alguma coisa. Mas já era o Espírito Santo tocando-a para voltar para casa, pois eu estava lá em um estado terrível. Meu cunhado não entendeu nada, mas a acompanhou até em casa. Foi quando me pegaram com um facão na mão lutando comigo mesma; meu cunhado conseguiu me desarmar, terminei de tomar o coquetel e desmaiei. Era a overdose.
Foi então, que começou a minha experiência sobrenatural com o Senhor Jesus. Entrei em coma e logo em seguida (pois assim me parecia), eu me vi em um lugar onde a minha frente, existia um portão tão imenso, que olhei para os lados e não consegui ver o fim dele (era a porta para perdição – Mt 7.13). E do lado de dentro, eu ouvia sons horríveis, gritos, gemidos. Então me apavorei e comecei a pedir socorro. Foi quando vi uma mão imensa vindo em minha direção e uma voz forte me disse para não temer e começou a conversar comigo me perguntando se sabia onde eu estava, se eu tinha noção do que estava acontecendo? Fiquei apavorada, pois não estava entendendo o que estava acontecendo. E então aquela voz se apresentou e me disse que era Jesus. Eu não conseguia ver um rosto, mas senti aquela mão segurar a minha mão e me senti protegida, pois os gritos que ouvia eram horríveis, que vinham de dentro daquele portão. O Senhor me perguntou se lembrava o que havia acontecido comigo e me disse algo que me fez tremer. Se eu tivesse concluído com aquele facão o que tinha em minha mente, não estaria fora do portão, mas sim dentro dele. E então pude entender que ali era a entrada para a perdição eterna, onde nunca havia acreditado, e achava que era historinha para eu deixar de fazer as coisas que fazia. Ali, pedi para o Senhor me ajudar e não permitir que eu entrasse ali. Foi então que o Senhor Jesus, me fez a pergunta mais importante, que iria mudar por completo minha vida. Ele me perguntou se eu queria uma "nova chance", se agora eu O reconhecia como Deus?
Eu disse que sim, que queria esta nova chance, que mudaria tudo em minha vida, e que o aceitava como meu Senhor e meu Deus!
Foi então que acordei do coma e quando vi na beira da minha cama, estavam minha irmã e meu cunhado de joelhos orando por mim, cada um de um lado. Quando abri meus olhos e vi aquela cena, meio sem entender direito o que estava acontecendo, me senti envergonhada. E assim o Senhor me trouxe de volta a vida.
Os dias se passaram e resolvi mudar de vida, juntei todos os remédios que tomava para dormir, coloquei em uma sacola e entreguei para minha irmã, para levar para um hospital que tivesse precisando. Então senti em meu coração que precisava ir a alguma igreja evangélica, onde eu precisava tomar uma decisão de fato, onde as pessoas pudessem ver a decisão que havia feito com o apelo do Senhor Jesus.
Mas não pense que o inimigo ficou satisfeito com a minha mudança. Ele veio falar em meu ouvido, que se eu aceitasse Jesus, me tiraria a coisa mais preciosa que possuía, meu sobrinho Roberto. Disse-me que mataria o meu sobrinho e toda a minha família. Resumindo, ele me ameaçou. A princípio fiquei assustada, confesso que tive muito medo, mas não voltei atrás na minha decisão e disse para o diabo que poderia matar todos da minha família, mas que eu iria entrar em uma igreja e iria confessar diante dos homens que Jesus era agora o meu Senhor. Depois disso voltaria, choraria e sepultaria todos eles, se realmente estivessem mortos.
Fui a 1ª Igreja Batista do Pechincha, onde fui a primeira chegar; a igreja estava fechada quando cheguei. Aguardei e quando abriram, entrei e fiquei aguardando ansiosamente. Quando o pastor fez o apelo, eu fui correndo lá na frente e disse que já havia aceitado Jesus, mas queria fazer diante dos homens.
Bem, irmãos este pastor foi quem em batizou, Pastor Luís Tomás de Queirós. Foi este homem de Deus que me ajudou em muitas crises de ansiedade que tive, em princípios de depressão. Pois o inimigo investiu pesado, para que eu desistisse e voltasse ao vômito novamente (Pv 26.11).
Mas logo, fui fazer seminário no Batista do Sul e Deus começou a agir de forma linda em minha vida. Deus abriu o Seu bom tesouro para mim. Pois a sua Palavra era de forma clara em minha vida teórica e prática. Ali senti o chamado de Deus para a música, fiz Instituto de coral, canto e montei uma banda que na época era um escândalo para os mais tradicionais. Mas foi esse o nome que o Senhor nos deu, Banda Ide. Louvamos em muitos lugares. Foi quando fui morar em São Paulo e minha vida mudou radicalmente, pois o avivamento havia entrado na minha vida e quando retornei ao Rio de Janeiro, fui congregar na Assembléia de Deus, onde conheci os mistérios de Deus com mais propriedade, onde o Senhor já havia me separado para oração e intercessão. Foi quando conheci o ministério onde congrego até hoje.
E desta maneira Jesus entrou em minha vida, de forma tremenda, única e sobrenatural. E ainda continua se movendo de forma tremenda em minha vida. Assim deu-se o meu chamado, mas sinto que o Senhor ainda está me lapidando para ser usada de forma plena. Um verdadeiro avivamento para a minha vida!


Reflexões do Reino: Como foi seu envolvimento com dependentes químicos?

Rose: Meu envolvimento com dependentes químicos, foi novamente sobrenatural, pois na verdade o Senhor começou a colocar dentro do meu coração um amor que não era normal por mendigos e meninos de rua. Então comecei um trabalho de evangelização em algumas casas de recuperação e o trabalho começou tomar uma proporção grande em áreas carentes, aonde pessoas vinham, sei lá de onde, para pedir ajuda e fazer aconselhamento. E mais interessante que só vinham homens pedir ajuda. Quando vi que estava tendo um retorno em fazer aconselhamentos, resolvi investir em cursos para aprender trabalhar como conselheira. Deus foi abrindo portas de forma sobrenatural e começamos a trabalhar com mais respaldo; vidas começaram a chegar logo no primeiro ano que comecei a trabalhar e quase 100 vidas foram levadas para casas de recuperação espalhadas pelos municípios do Rio.
Então, conheci um homem de Deus, presbítero Alex, e trabalhamos juntos a mais de 8 anos, onde Deus tem nos honrado de forma tremenda e sobrenatural, pois não temos ajuda de governo e nem de igrejas. Contamos com a ajuda de doações através do toque do Senhor nos corações, onde 40 homens vem recebendo o apoio necessário para não retornar as drogas ou ao tráfico.


Reflexões do Reino: Conte-nos como têm sido as experiências do campo missionário. E quais são os projetos para o futuro?

Rose: Deus tem nos presenteado com uma área de quase 7000m², onde estamos implementando um projeto de uma casa de recuperação e apoio aos familiares. E tudo acontecendo da forma sobrenatural de Deus. Dependemos exclusivamente do agir de Deus.
Missões é minha linguagem, afinal, estes 22 anos na presença do Senhor Jesus, tem sido um campo missionário, a começar em casa, onde ganhei uma boa parte da minha família para Jesus, inclusive meu pai, que levantou sua mão pela primeira vez em um culto dos jovens em minha casa. Hoje ele dorme no Senhor.
Mas Deus tem me levado a muitos lugares, cidades, igrejas, onde tenho visto milagres acontecendo e vidas sendo restauradas pelo nome de Jesus.
Um dos projetos mais "ousados" que Deus me envolveu, foi uma cidade chamada Gelo na Itália, onde fui procurada via telefone por uma irmã que através de uma ligação interurbana por "engano", começou a falar de Jesus para outra pessoa do outro lado na linha e ao término desta conversa, a pessoa pediu que alguém fosse em sua cidade, pois lá não havia nenhuma igreja evangélica. Depois que tive uma espécie de câncer nos rins no ano de 2002, tive a oportunidade de colocar meu testemunho na internet. Porém, a irmã desta moça agora estava passando por uma situação muito difícil, um câncer no intestino, onde já havia sido "sentenciada" pelos médicos. Depois de ler parte do meu testemunho em um site na internet, me escreveu, pedindo ajuda em oração. Durante meses oramos pedindo ao Senhor que fizesse um milagre naquela vida e da mesma forma que aconteceu comigo, o milagre aconteceu com ela. E então começamos uma amizade forte, e toda vez que precisava de alguma ajuda, me procurava. Foi quando um dia ela me ligou falando deste telefonema. Então mandei que procurasse seu pastor, mas para minha decepção, ela estava sem pastor, pois a igreja onde ela congregava em Palermo estava com um movimento estranho, onde a igreja estava sendo dividida em vários pedaços. Resumindo, ela se encontrava sem pastor e sem igreja. Mandei que ela procurasse outra igreja. Mas a irmã da cidade de Gelo ligou, dizendo que já havia convidado várias pessoas para um culto naquele lugar. Então não tivemos tempo para mais nada, a não ser pedir orientação ao Senhor Jesus e encarar mais este desafio. Começamos a orar, eu aqui no Brasil e ela lá na Itália, e juntou-se a nós, a sua irmã que foi curada de câncer e um casal. Começamos a orar e o Senhor nos deu aval para marcar o culto em Gelo.
Quando chegaram lá, ela disse que a moça que pediu o culto tinha muitas posses e já tinha feito reservas em um hotel na cidade para eles, com tudo pago, e que tinha convidado muita gente para o culto que seria em sua casa. A casa era feita sob pilares e que embaixo havia uma garagem do tamanho da casa toda.
O horário do culto foi se aproximando. No telefone, falei que Deus era com ela e com todos envolvidos naquele trabalho missionário. Orei e desliguei. E quando ela me ligou novamente, foi para contar que Deus havia dado vitória e que 50 vidas aceitaram a Jesus como seu Salvador e Senhor.
Ainda estou dentro deste projeto. Meu coração “geme por Gelo”. Este é o projeto mais tremendo que Deus me fez participar, onde fui convidada para ir para lá dirigir uma igreja. Porém, estou aguardando uma resposta no Senhor, pois ainda tenho uma outra promessa aqui no Brasil que aguardo como a sentinela aguarda o romper da manhã. (Sl 130.6)


Reflexões do Reino: Mudando um pouco o rumo de nossa prosa, temos visto um crescimento numérico muito grande em nossas igrejas. Alguns mais otimistas dizem que estamos passando por um avivamento; os mais pessimistas dizem que estamos somente inchando. Como você vê esse crescimento exacerbado?

Rose: A respeito do crescimento exacerbado da igreja tem um por que. O nome dado a este crescimento chama-se campanhas, campanhas e campanhas. Está havendo um exagerado movimento nas igrejas para chamar a atenção do povo. E como os dias têm sido maus com relação à área familiar, nas finanças, na área sentimental e em quase tudo, as igrejas têm investido em campanhas para atrair o povo que está carente. E como a Bíblia descreve, as pedras estão clamando (Lc 19.40).
Não sou contra campanhas, sou contra trocar o Espírito Santo, que deve ser o que atrai as pessoas para as igrejas. E nesse movimento, tenho visto um inchaço dentro das igrejas sim, um falso avivamento. Pois se existisse avivamento nas igrejas, não teríamos tanta gente doente e problemática.
Quando se fala em avivamento, se pensa logo em cultos “cheio de poder”, revelação, línguas estranhas, muito barulho e etc. Mas o verdadeiro significado de avivamento, pode ser encontrado em Atos 2:38-39, um verdadeiro encontro como o Senhor Jesus e receber o dom do Espírito Santo para que o Seu poder seja manifestado através de nossa vida e daqueles que estão ao nosso redor. Avivamento é prestação de serviço em favor do Reino de Deus.
Esta é uma promessa feita no antigo testamento em Joel 2:28-29 “E há de ser que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões. E sobre os servos e servas derramarei o meu Espírito”.
Avivamento genuíno é descrito de forma clara no livro de Atos, pois fala sobre a expansão do evangelho e o inicio do avanço até os confins da terra. Enfermos eram curados, aleijados passavam a andar e cegos enxergavam. E assim via-se o Espírito Santo atuar de forma poderosa, milagres e prodígios eram visto por todos os lugares onde o avivamento era levado.

Reflexões do Reino: Temos visto muitos eventos e shows com o rótulo de “gospel” como o “Canta Rio”, “Marcha para Jesus” e outros. Como você encara esses eventos? O propósito é evangelístico ou existem outros fin$?

Rose: Meu bom Deus! Falar de eventos gospel...prefiro me abster. Mas uma coisa é claro como o sol de meio dia, nada é feito sem fins lucrativos, e as desculpas são as mais absurdas. O nome do Senhor Jesus tem sido enxovalhado, onde pessoas cantam e dançam de forma sexy, sem temor algum. Socorro!

Reflexões do Reino: Hoje, o seio pentecostal tem dado muita vazão às experiências místicas em detrimento da Palavra. Deus disse por intermédio de Oséias que o povo estava sendo destruído por falta de conhecimento. Você teme que esta palavra seja também para os nossos dias?

Rose: Muitas coisas têm aparecido no “seio pentecostal”, e muitas heresias têm se instalado dentro das igrejas. Um exemplo disso é culto aos anjos, uma idolatria com “capa” santa. E com toda a certeza, a profecia de Oséias, nos serve como alerta. Os preceitos do Senhor têm sido colocados de lado, as verdades não têm sido pregadas na sua inteireza, para que o povo seja verdadeiramente orientado e conseqüentemente deixar de ser destruído.

Reflexões do Reino: Alguns pregadores na ânsia de falar sobre suas experiências místicas e seus testemunhos mirabolantes têm desmerecido o estudo da teologia, pois verberam que “Deus não precisa do teu estudo!” ou “Deus não precisa do teu anel de doutor!”. Até que ponto é válido o estudo da teologia?

Rose: É claro que estudar faz parte da vida do cristão e é através do estudo que homens e mulheres de Deus têm levado um evangelho limpo e claro, sem os “retetés” da vida, pois conheço muitas pessoas que só dão vazão aos “bate-pés”, mas quando é para falar dentro da palavra, deixam a desejar. O próprio Deus usou o profeta Oséias para dizer que o povo é destruído por falta de conhecimento e conhecimento só vem através de estudo, de tempo “perdido” em pesquisas e estudos.
Adquirir conhecimento é necessário, até mesmo para que os que são de fora, vejam que ser crente, não é ser “burro”, “porco” e “coitado”, mas que ser crente em Jesus é ser privilegiado de ter o Mestre dos mestres como nosso ajudador.
A Bíblia diz em Efésios 4:11-12 que Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.
Tudo para uma igreja edificada, madura e sem que seja levada por ventos de doutrinas.

Reflexões do Reino: Missionária Rose, foi um prazer ter você aqui no Reflexões do Reino. Deixe um recado para nossos leitores.

Rose: A mensagem que quero deixar para os leitores é um algo que o Senhor compartilhou comigo há alguns meses, enquanto viajava para São Paulo. Pessoas tentam encontrar a felicidade em variados lugares, mas o Senhor Jesus nos orienta como encontrá-la. Seja feliz!
Quero pedir que os amados não esqueçam de orar por mim e pelo ministério que Deus tem colocado sob nossa responsabilidade.
Fiquem na paz que excede a todo o entendimento.

“Onde encontrar a Felicidade?”

..., para que nos regozijemos, e nos alegremos todos os nossos dias.
Sl 90.14b

Hoje pela manhã estava pensando porque tantas pessoas procuram a felicidade onde não podem ter a certeza de encontrá-la?
Porque esperam a felicidade sempre para depois, para amanhã e nunca agora, no hoje?
A verdadeira felicidade não está nas coisas complexas (naquilo que não vemos e não conhecemos), mas sim na simplicidade das coisas.
Se pararmos para pensar, observaríamos e compreenderíamos que a felicidade não está em um “futuro melhor”, mas que ela se faz presente, no hoje, no agora.
Pessoas se tornam ansiosas e infelizes por “esperar a felicidade”, por achar que a felicidade só é possível no futuro, no amanhã. Resumindo, naquilo que pensamos em construir, e que nem sabemos se terminaremos ou se estaremos aqui para desfrutarmos. (I Pd 5.7)
Quando na verdade, devemos desfrutar o hoje, pois quem garante que o amanhã chegará e como chegará? (Sl 118.24)
O maior exemplo de viver um dia por vez quem nos deu foi o Mestre Jesus.
Jesus sabia o que O esperava, sabia que teria que passar aqui, que sofreria, seria torturado, humilhado e morreria (no meio de dois assassinos e ladrões; Lc 23.33), sem nunca ter feito nada que levasse alguém a chorar de tristeza. Muito pelo contrário, quem chegasse perto, somente perto, já se sentiria mudado por usufruir apenas de sua presença. Mas Jesus não viveu em função do amanhã, de esperar o futuro “amargo e terrível” que o aguardava (e sabia que o esperava, era traição e morte de cruz).
Jesus viveu cada dia com alegria, pois a diferença era feita através das atitudes. Ele viveu um dia por vez. Não ficou “amargando” seus pensamentos e nem atormentando sua alma com o “amanhã. E Jesus, humanamente falando, tinha tudo para nem querer pensar no amanhã (Ele sabia para que veio ao mundo).
Mas o dia de hoje era o que contava! As pessoas que passavam em sua vida, as pessoas que ele “pode” transformar e mudar suas histórias com atitudes de amor, com humildade e simplicidade. (Jo 4.28-30); (I Pd 1.3); (At 22); (I Sm 16.13)
Ele tinha uma missão e viveu em função desta missão.
Qual a sua missão?
Vivemos o hoje em função de nós mesmos, de procurar a felicidade a qualquer preço.
A felicidade que esperamos tem sabor de eternidade?
Tudo que vivemos, se não tiver o sabor de eterno de nada vale!
Jesus sabia que tudo que fizesse aqui, teria que refletir na eternidade.
Você sabia que fazemos parte de um plano de felicidade?
Se vivêssemos um dia de cada vez, sem amargurar a nossa alma, esperando com tanta ansiedade o amanhã, seríamos felizes de verdade. E aprenderíamos e entenderíamos que “hoje é o dia, e o amanhã poderá não chegar”, pelo menos como imaginamos ou pensamos.
O segredo para a felicidade é viver bem o hoje.
Para gozarmos “um futuro feliz”, ou desfrutar “um futuro de felicidade”, dependemos do desempenho de hoje.
Mas procuramos a felicidade em pessoas (que possuem defeitos e podem nos decepcionar), em coisas que a traça pode comer e a ferrugem corroer, em posições que poderemos alcançar (mas quem garante que permaneceremos nela?).
É preciso entender, que melhor que a quantidade de coisas, é desfrutar das coisas simples e até mais valiosas que o dinheiro.
Você hoje já parou a frente de uma floricultura e já observou uma flor?
Você hoje já pensou que um ato de carinho e com a simplicidade de uma flor, você pode desfrutar da felicidade e fazer alguém feliz?
Pense!
A felicidade está ao alcance hoje e na simplicidade. E não na complexidade do amanhã.
SER FELIZ NÃO É UM ESTADO, MAS UMA ATITUDE!
Deus quer te ver feliz hoje! Ele quer que desfrute o hoje, com felicidade no coração. Tire o foco do amanhã, porque o amanhã a Deus pertence. Viva e seja feliz hoje!


2 comentários:

Amanda Simões disse...

Olá Júnior, A Paz de Cristo!

Glória a Deus por palavras tão maravilhosas, que profundamente edificaram o meu coração.
Estou exatamente precisando ser feliz agora, e parar de pensar que o melhor só virá no futuro. É preciso encarar fatos e viver a vida, sabendo produzir diante do que Deus coloca em minhas mãos AGORA.


A entrevista com a irmã Rose foi uma bênção!Aleluia.

Que o Senhor Jesus continue abençoando o seu ministério e dispertando os jovens para fazer a boa obra.

No Senhor,
Amanda <><

Junior disse...

Graça e Paz Amanda!

Realmente a entrevista com nossa irmã Rose foi muito edificante.
Obrigado pelas palavras de incentivo.
É sempre bom ter os jovens da ADJ por aqui. Sua participação só enriqueceu este espaço.
Volte mais vezes.

No amor dAquele que nos ajuda a sermos unidos para impactar,

Junior

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails