domingo, 20 de julho de 2008

A Vontade de Deus

Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu corpo, pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus. Mq 6.6-8

Viver a vontade de Deus deve ser a aspiração de todo crente que é sincero em sua prática cristã. Todo esforço nesse sentido é sem dúvida extremamente compensador. Na oração dominical, Jesus Cristo ensina: “...venha o teu Reino, faça-se a tua vontade, assim na terra com no céu” (Mt 6.10). Como Cristo afirmou, no céu, a vontade de Deus é plenamente realizada, mas na terra nem sempre (e é aqui que entra a igreja para fazer a diferença). Será que estamos realmente dispostos a obedecer e sermos submissos à vontade revelada de Deus?

O profeta Miquéias exerceu seu ministério em um período muito turbulento da história de sua nação. Miquéias foi contemporâneo de Isaías e Oséias, e seu nome quer dizer “Quem é como o Senhor?”.
Diante daquele quadro de corrupção política e religiosa que imperava (qualquer semelhança é mera coincidência), Miquéias anuncia o merecido juízo divino caso não houvesse uma adequada mudança. No texto em apreço, o profeta critica a forma puramente exteriorizada e ritualista de adoração da nação à Yahweh, e em seguida apresenta três pontos básicos que destacam a prática religiosa que verdadeiramente agrada a Deus.

1)
“O Senhor pede de ti: Que pratiques a justiça”.

O termo “justiça” no hebraico é “tsedeq”, e faz referência ao padrão de moralidade e ética determinada nas Escrituras. Devemos, entretanto, notar que muito mais do que entender o termo, Deus espera que pratiquemos, ou seja, vivamos a justiça.
Que atitudes revelam que estamos vivendo de modo reto, honesto e justo? Isso não se reflete diretamente em nosso relacionamento com outras pessoas?
Praticar a justiça é o mesmo que ser cumpridor de nossos deveres; ser bom pagador; ser pessoa de uma só palavra; jamais aceitar ou pagar suborno, propina ou coisas semelhantes; irrepreensível, honesto e imparcial no juízo.

2)
“O Senhor pede de ti: Que ames a misericórdia”.

O termo hebraico para “misericórdia” é “hesed”, mas também pode traduzir-se por “bondade”, “generosidade”, “compaixão” etc. Gosto muito da definição do dicionário secular: “compaixão pela desgraça alheia”, pois retrata bem nossa condição diante de um Deus misericordioso.
Além de praticarmos a justiça, Deus deseja que demonstremos verdadeiro amor pelos que sofrem. E que atitudes revelam que estamos amando nosso semelhante? Não é se envolvendo em campanhas humanitárias ou caridosas, buscando meios de socorrer ou mitigar a fome, o frio, e, sobretudo levando Cristo a eles pela evangelização?
O favor de Deus não se compara, nem se conquista, é graça. Deus tem prazer em abençoar os seus filhos.
Amar a misericórdia é o mesmo que demonstrar verdadeira compaixão pelos que padecem, por meio de atos de bondade.

3) “O Senhor pede de ti: Que Andes humildemente com teu Deus”.

Andar humildemente diante de Deus é o mesmo que se submeter a Ele, ou obedecer à Sua Palavra. Conforme o Aurélio, ser humilde é ser modesto, singelo, simples e submisso. “Andar” é uma referência ao nosso viver cotidiano. E quem anda com Deus deve acertar o passo com Ele. Nem atrás, nem na frente, mas ao lado.

Portanto, estas três exigências divinas têm aplicação permanente em nossas vidas. Ser justo, ter compaixão dos necessitados e manter uma vida de simplicidade e obediência à Palavra Deus, são requisitos obrigatórios na vida de quem tem real compromisso com Cristo. Inclusive Ele já havia declarado que seus discípulos seriam conhecidos pela prática do amor ao próximo. Há muita gente preocupada com a “exteriorização” da sua prática religiosa, por meio de usos e costumes, ao invés de obedecer aos preceitos que realmente fundamentam a fé cristã. Na visão de Cristo, isso é puro farisaísmo.

6 comentários:

Paulo Adriano Rocha disse...

Grande Jr! Rapa, que benção esse texto. Foi mal, mas eu já copiei e enviei pra maioria dos meus ocntatos, ok? Colocando a referência do seu blog e pedindo que o pessoal visite. Um texto super impressionante e peço a Deus que toque muitas vidas: Justiça, Misericórdia e Humildade! Abraços e ótima semana. Tem um posto novo no meu tb, ok? Paz!

Junior disse...

Grande Paulo Adriano!

Fico feliz por ter gostado e enviado aos seus irmãos. Fique a vontade sempre que sentir o desejo de retransmitir os posts desse humilde Blog.
Realmente estes três requisitos são essenciais para nossa peregrinação, porém, pouco praticado em nossos arraiais.
Ótima semana para ti também, e com certeza estarei indo em seu instrutivo Blog para minha edificação.

Abraços fraternos
Junior

Isaias disse...

Ei, muito bom seu blog Júnior. Nós, blogueiros evangélicos, estamos à margem do do conhecimento oficial, mas estamos produzindo alternativas. Há muitos que têm o que falar e que só acham seu meio de expressão aqui. Parabéns pelo blog.

Yvarechechá Adonay Yeshua!

Junior disse...

Caro Isaías,

Salutar sua colocação.
Muitos têm feito seus Blogs, os seus verdadeiros púlpitos. Só precisamos que nossas reflexões sejam veiculadas no meio secular, para propagação do Reino de Deus.

Paz!
Junior

Agnaldo Gomes disse...

Paz Irmão,
Agradeço a visita e comentário no meu blog.
Parabéns pela sua página.Andei lendo alguns textos. Fiquei maravilhado pelo "BEM QUE TENTEI".
Com certeza voltarei mais vezes para aprender mais com suas ricas mensagens.
Em Cristo,
Agnaldo

Junior disse...

Caro Agnaldo,

Fico lisongeado pelas palavras de incentivo. Seja sempre bem-vindo ao nosso humilde espaço.
O post "Bem que tentei", surgiu de um desabafo contra nosso sistema religioso brasileiro. Portanto, sei que esse post é o desabafo de muita gente que ora por um Evangelho genuíno.

No amor de Cristo,
Junior

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails